"Although it is not true that all conservatives are stupid people, it is true that the most stupid people are conservative." John Stuart Mill
13
Jan 12
publicado por Tó Zé, às 10:37link do post | comentar

Tendo lido a notícia de hoje de manhã no website do DE, sinto-me bastante constrangido com a falta de visão da CP.

Morando eu num concelho perto de Lisboa e tendo de ir trabalhar para essa cidade quase todos os dias, faço-o de transportes públicos, mais precisamente, por uma empresa privada de transportes que não importa referir, mas que se aproveita de ser a única a operar no concelho para realizar preços de passes mensais de cento e muitos euros.

Dada a falta de compatibilidade dos horários da CP, eu tive de optar por viajar através dessa empresa caríssima, quando a linha do oeste ainda existia e tinha condições para os comboios lá passarem.

Este ano, para cortar nos custos, a ainda empresa pública CP, fechou a circulação de passageiros na linha do oeste porque não era financeiramente rentável para a empresa.

Pergunto-me se não seria economicamente viável para a empresa, em vez de demitir trabalhadores, ou nas palavras dos gestores, fazer rescisões, não seria mais rentável aproveitarem-se da situação e colocarem trabalhadores que já não são necessários noutras linhas a fazer dinheiro para os cofres da empresa naquela linha. Assim, as pessoas teriam uma maior facilidade de movimento de casa para o trabalho na capital e haveria uma maior adaptação dos preços aos interesses dos clientes, uma vez que voltaria a haver concorrência.

Podem-me dizer que não existem infraestruturas na linha do oeste, mas a verdade infeliz é que elas existem e a CP só tem a ganhar se as utilizar.

Eu sei que grande parte dos portugueses culpabiliza os funcionários da empresa por a levarem à falência, mas eu culpabilizo os gestores ainda mais bem pagos do que os maquinistas por não trabalharem para encontrar soluções viáveis para a empresa, e num acesso de burrice, que em Portugal é crónica nos gestores, destróem aquilo que lhes poderia dar dinheiro e não provocava que muitos trabalhadores fossem para o desemprego, não falando de quão mais prático seria para os utilizadores da linha.

Sugiro a todos os portugueses que não critiquem apenas os trabalhadores pelos direitos adquiridos, critiquem também os dirigentes por não quererem rentabilizar uma empresa, para lhes ser mais fácil de posteriormente a privatizarem, levando apenas os interesses da alta finança europeia em conta nas suas políticas.

Como sempre, os políticos favorecem grandes instituições, que depois graças a esse tão bom liberalismo deixam a economia europeia e mundial de rastos com crises como a de 1929 ou até de 2008.


mais sobre mim
Janeiro 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9

16
18
19
20
21

23
24
25
26
27

29
30
31


arquivos
pesquisar neste blog
 
blogs SAPO